História e Fotos de Festivais Anteriores

O Festival de Artes de Goiás foi criado em 1998 em homenagem aos 90 anos de Instituição da antiga Escola Técnica Federal de Goiás, hoje Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – IFG, criada como Escola de Aprendizes e Artífices pelo presidente Nilo Peçanha em 1909, na antiga capital do Estado, a Cidade de Goiás. A escolha da cidade para sediar o Festival deveu-se à identificação histórica com a origem do IFG, e também como celebração do principal sítio histórico e cultural do Estado, reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 2001.

Iniciado como projeto de extensão, o primeiro Festival de Artes de Goiás teve como principal idealizador o professor do Câmpus Goiânia, Reginaldo José Saddi, músico e diretor de teatro, falecido em setembro de 2014. O Festival contou até hoje com treze edições, realizadas de 1998 a 2014, sendo até 2003 (IV edição) sediado na Cidade de Goiás. De acordo com Júlio Van, professor de Teatro do Câmpus Goiânia, o Festival de Artes de Goiás nasceu como uma ação de resistência dos professores de Arte da antiga Escola Técnica Federal de Goiás, na tentativa de fazer dialogar uma linguagem artística com a outra. Em 2004, o Festival foi transferido para Goiânia e passou a ser realizado bienalmente, nas dependências do IFG – Câmpus Goiânia, buscando envolver a comunidade interna e a população goianiense, além de afirmar o diálogo no âmbito da tradição, da academia e da insurgência no contexto local e nacional.

A partir do ano de 2010, com a ampliação da Instituição, iniciou-se a proposta de efetivar as ações do Festival em todos os câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, nos municípios de Anápolis, Formosa, Inhumas, Itumbiara, Jataí, Luziânia e Uruaçu. No novo formato, o Festival de Artes de Goiás assumiria o perfil de um evento institucional, com abrangência e envolvimento de todas as unidades do IFG. O evento voltaria a ser realizado anualmente, sendo bienalmente no Câmpus Goiânia nos anos pares, e, nos anos ímpares intercaladamente nos demais câmpus, de acordo com a formatação a ser criada pelo corpo dirigente da Instituição. No entanto, em 2011, o evento que seria realizado no IFG – Câmpus Anápolis foi cancelado devido à Greve Nacional dos Servidores da Educação ocorrida naquele ano. O mesmo aconteceu em 2012, quando retornaria à antiga capital goiana, sendo retomado apenas em 2013, após 3 anos, em sua XI edição numa forma de reencontro com a Cidade de Goiás, berço de sua criação.

O evento tomou dimensão significativa na vida artística e cultural de Goiás, assim como no contexto acadêmico de profissionais, professores, alunos e na ampla discussão acerca de assuntos ligados à Arte. Com a intensa participação de artistas, pesquisadores, professores, alunos e comunidade em geral, de diversas partes do país, na sua X edição, realizada em 2010 no Câmpus Goiânia, aproximadamente mil pessoas participaram diretamente das atividades, oficinas, espetáculos, celebrações, trocas de experiências e da programação com caráter educativo, e puderam de modo concreto, vivenciar aspectos diversos e produtos da cultura nacional, particularmente em seu caráter de resistência e ousadia.

Em 2013, na Cidade de Goiás, o Festival recebeu alunos de 10 câmpus do IFG (acrescidos os Câmpus Aparecida de Goiânia e o da cidade anfitriã), possibilitando a continuidade das experiências e a difusão do conhecimento em torno da arte-educação, favorecidas ainda pela realização concomitante do 10º Seminário de Educação Estética, do 4º Encontro de Filosofia do IFG e do 3º Fórum de Professores de Arte da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, contando com grandes convidados e com a participação dos professores da instituição na organização.

O XII Festival de Artes de Goiás realizado no ano de 2014 na Cidade de Goiás contou com a presença direta de aproximadamente 1700 participantes, entre professores, servidores e alunos de 12 câmpus do IFG, com a inserção de Águas Lindas e Goiânia Oeste. Este público foi ampliado por artistas, pesquisadores, comunidade em geral e, principalmente, por IFs de outros estados brasileiros: IFMG, IFPE, IFRR, IFB e IFTO. Revelando a importância do evento para o Estado de Goiás e a seu reconhecimento em nível nacional. Além disso, o XII Festival de Artes de Goiás expôs 5 linguagens artísticas: Audiovisual, Artes Visuais, Dança, Música e Teatro.