Coletivo realiza intervenções com grafite durante o X Festival de Artes

O Coletivo Grafitti É Nóis Criu realizou uma Intervenção Urbana nas dependências do Instituto Federal de Goiás (IFG) como parte da programação do X Festival de Artes, que começou no último dia 27 e vai até a próxima quinta-feira, dia 2 de dezembro. Os artistas Mendez e Rustoff (foto abaixo), que formam o coletivo, pintaram dois paineis, um no pátio do IFG e outro no “corredor da juventude”, espaço de convivência dos estudantes.

Os artistas explicaram que a técnica utilizada nos paineis é a do stencil, também chamada de molde vazado, que consiste na pintura sobre recortes com moldes de desenhos. Segundo Mendez e Rustoff, filmes, músicas e gibis podem ser fontes de inspiração para o trabalho. A estética que mais influencia o trabalho do Coletivo É Nóis Criu é a mexicana, que utiliza ícones como caveiras, rosas, e elementos sacros.

Rustoff explicou que grafite é o ato de pintar em muros e paredes, assim como a pixação, mas segundo ele, no Brasil, as pessoas começaram a diferenciar: “Grafite é uma estética mais elaborada, com mais cores”, observou Rustoff. Para Mendez, a diferença entre arte e vandalismo é relativa: “Pra mim, estou fazendo arte, mas pra outra pessoa, pode ser vandalismo. Uma vez demoramos sete horas para pintar um painel e uma pessoa apagou”, analisou.

Intervenção

Rustoff e Mendez explicaram que a participação no Festival do IFG foi pensada previamente, de acordo com o tamanho das paredes e as condições estruturais, mas que as intervenções também ocorrem repentinamente, por exemplo, quando estão andando na rua e veem um muro propício para o grafite.

O estudante do 1º ano de Eletrotécnica  do IFG Arthur Moura Cruvinel estava andando pelo campus Goiânia e parou para ver a performance do Coletivo: “Achei bonito, interessante. Sempre gostei, mas nunca tinha visto alguém fazendo”. A estudante do 1º ano do Ensino Médio Jordana Bruna ficou sabendo do X Festival de Artes pela mãe, que é estudante do IFG, e veio prestigiar: “Eu já tinha visto grafite na rua, acho bacana”, avaliou Jordana.
 

Coordenação de Comunicação Social/Campus Itumbiara

Texto: Ana Paula Vieira

Foto: Sílvio Quirino