Arrigo Barnabé conversa com estudantes e professores do IFG

Arrigo Barnabé

O músico Arrigo Barnabé, que faz o show de encerramento do X Festival de Artes de Goiás nesta quinta-feira, dia 2 de dezembro, às 21 horas, conversou com estudantes e professores do Instituto Federal de Goiás (IFG) sobre sua história, seu trabalho e suas influências musicais. O bate-papo ocorreu no final da manhã de hoje no pátio do IFG e os participantes puderam fazer perguntas e interagir com o artista.

Natural de Londrina, Arrigo começou a estudar piano aos dez anos, com um professor particular, depois foi para um conservatório. Segundo ele, uma professora o fez prestar atenção em como Bach compunha, mas, ao mesmo tempo, ele observava o movimento musical nascente no Brasil: a Jovem Guarda, artistas como Caetano Veloso, Chico Buarque, Edu Lobo, Paulinho da Viola e Milton Nascimento. O músico afirma que a visão estética vai mudando a partir do “exercício da música”.

Atualmente, Arrigo está se dedicando a outras manifestações artísticas além da composição: ele interpreta canções de Lupcínio Rodrigues e também está trabalhando como ator. Sobre suas composições, Arrigo Barnabé destacou Missa In Memorian Arthur Bispo do Rosário, de 2003, feita especialmente para uma exposição em homenagem ao artista, morto em 1989.

Inspiração

“Não tenho muita inspiração, tenho uma necessidade. É um processo angustiante, até certo ponto”, comentou Arrigo Barnabé. Como dica para jovens que queiram seguir pelo caminho da composição, o músico elegeu Invenção a duas vozes, de Johann Sebastian Bach, uma peça fundamental. Logo mais, às 21 horas, Arrigo Barnabé se junta a Paulo Braga no espetáculo Clara Crocodilo a 4 Mãos, que tem entrada franca e será realizado no palco externo do IFG, situado à Rua 75, nº 46, Centro.

Coordenação de Comunicação Social/Campus Itumbiara

Texto: Ana Paula Vieira

Foto: Sílvio Quirino