Concerto de música sacra fecha com chave de ouro noite desta quarta-feira,1º

Orquestra de Câmara Goyazes, Coro do IFG e Coro do Ciranda da Arte

Concentração, dedicação e muita emoção. Assim foi o concerto de música sacra realizado pela Orquestra de Câmara Goyazes, Coro do Instituto Federal de Goiás (IFG) e Coro do Ciranda da Arte, que fechou com chave de ouro a programação desta quarta-feira, 1º, do X Festival de Artes de Goiás.

Cerca de 200 pessoas apreciaram o concerto regido pelo maestro Marshal Gaioso, professor de música do IFG, com apresentações de obras dos conceituados Franz Schubert (1797 – 1828) e Giovanni Batista Pergolesi (1710 – 1736). O evento, realizado na Reitoria Nossa Senhora das Graças, contou com a participação de solistas importantes do estado de Goiás como Marília Álvares (soprano), Joana Azevedo (alto), Michel Silveira (tenor) e Ângelo Dias (barítono).

O regente Marshal ficou bastante satisfeito com a apresentação e feliz com o ingresso de adolescentes no mundo da música clássica. “É muito estimulante ver jovens cantores no caminho certo. Isso reforça tudo que ensinamos. É fantástico realizarmos um evento de tamanha grandeza com atividades incríveis em uma semana”, disse o regente, ao comentar sobre o festival de artes.

Reconhecimento

Vinícius Carneiro, regente do Coro do IFG e do Coro do Ciranda da Arte observou que o espetáculo foi um sucesso e um desafio. “Esse foi um trabalho difícil, com nível técnico muito alto, mas os integrante dos coros e da orquestra se mostraram bastante preparados. Realizaram uma ótima apresentação que merece todo reconhecimento”, disse Vinícius, que é também professor de música do IFG.

A técnica de enfermagem Francielle Ribeiro de Souza assistiu ao espetáculo, no qual dois primos compõem o Coro do IFG. “Uma apresentação como esta tem grande valor para os jovens do coro e para nós, sociedade. É muito importante para conhecermos e incentivar o ingresso de outros adolescentes na música clássica”, concluiu Francielle.

Coordenação de Comunicação Social – Campus Luziânia
Texto: Francyelle Rocha
Foto: Sílvio Quirino