Popularização da Filosofia é tema de debate

Charles Feitosa

Vantagens e desvantagens da crescente popularização da Filosofia foi o tema debatido na manhã desta quinta-feira, dia 2 de dezembro, na programação do 3º Encontro de Filosofia, que ocorre paralelamente ao X Festival de Artes de Goiás. Estudantes de cursos técnicos e superiores do Instituto Federal de Goiás (IFG) dialogaram com o professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Charles Feitosa, na mesa mediada pelo professor do IFG Felipe Valoz, com a professora do IFG Iarle Ferreira como debatedora.

O professor convidado iniciou o debate questionando a divulgação científica: “Acontece muito da academia considerar vulgarização, reducionismo; como se a divulgação ocupasse um lugar inferior no mundo acadêmico”, provocou Charles. Segundo o palestrante, na área da Filosofia, há uma dicotomia neste sentido, de um lado o excesso de eruditismo da academia e, de outro, o excesso de simplificação. Ele criticou, por exemplo, a realização de séries rápidas que propõe o ensino de Filosofia.

Charles apresenta, então, o que chama de “Filosofia Pop”. Para ele, o termo “pop” quer dizer misturar as dimensões, “o acadêmico e o cotidiano, o popular e o erudito”. Além disso, o conceito proposto pelo professor também envolve uma preocupação geográfica, com o contexto regional: “Há um silêncio dos filósofos em relação às questões da cidade em que habitam: a situação do Rio de Janeiro, por exemplo, não vi ninguém se posicionar”, provocou Charles.

Ações

O professor da Unirio, que também é escritor, autor do livro “Explicando a Filosofia com Arte”, defende que a Filosofia tem que ir “à campo, ir pra rua, tomar as mídias”. Agora ele planeja um programa de rádio. “Sou contra a oposição entre pesquisa e divulgação. Só quando a academia sair dessa oposição, vamos conseguir superar essas dicotomias”, finalizou Charles.

Coordenação de Comunicação Social – Campus Itumbiara

Texto: Ana Paula Vieira

Foto: Sílvio Quirino